Início » DESTINOS » COLÔMBIA » O que fazer durante uma conexão em Bogotá
Monserrate em Bogotá

O que fazer durante uma conexão em Bogotá

Compartilhe com seus amigos!

Estive em Bogotá durante uma conexão rumo a Punta Cana. A conexão longa foi intencional, pois dessa forma eu pude aproveitar para conhecer um pouquinho da capital colombiana.

Bogotá é uma cidade linda e eu fiquei completamente apaixonada por ela. Tanto, que já estou planejando um retorno a Colômbia, só para ter uns dias destinados apenas a capital. Porém, as horas que tive durante minha conexão em Bogotá, foram suficientes para sentir um gostinho do que a cidade tem a oferecer.

CONEXÃO BOGOTÁ

Conhecer uma cidade em poucas horas não é uma tarefa fácil. Nesse sentido, o mais importante é o gerenciamento do tempo. Existe várias empresas em Bogotá que são especializadas em passeios durante uma conexão. Depois de muita pesquisa, escolhi a Explora Bogotá. Conversei diretamente com o dono da empresa, o Edgar e tenho apenas elogios e agradecimentos a fazer.

Eu cheguei em Bogotá num domingo de manhã por volta das 10 horas. Entre pegar minha mala, passar pela imigração e pela alfândega, demorei cerca de 1 hora. Quando sai do aeroporto, o Edgar já estava me esperando.

Tempo de conexão X tempo disponível em Bogotá

O tempo de um city tour em Bogotá dependerá de quantas horas de conexão você tem disponível. Para calcular esse tempo, lembre-se que você precisa de pelo menos 1 hora para sair do aeroporto, e está de volta de 2 a 3 horas antes. Depende se você terá ou não que despachar bagagem e se é um voo nacional ou internacional.

Eu cheguei em Bogotá às 10 horas e não enfrentei filas. Com isso, pouco depois  das 11 horas já estava fora dos portões do desembarque. O meu próximo voo estava marcado apenas para o dia seguinte, às 6:30. Com isso, tive bastante tempo para o meu city tour, e pude conhecer tudo com calma, sem deixar nada de fora. Durante todo o tempo, o Edgar nos acompanhou, sempre muito gentil e solícito.

Cerro de Monserrate

Nossa primeira parada foi o Cerro de Monserrate. O Monserrate está para os colombianos o que aparecida está para nós, brasileiros. Então, por ser um domingo, dia de missa, imagine que estava bem cheio, e com filas enormes para subir. Mas por ser uma das principais atrações da cidade, não podíamos deixar de fazê-la. Demoramos cerca 30 minutos para subir, 30 para descer, e 1 hora lá em cima.

O Cerro de Monserrate é o ponto mais alto de Bogotá. A 3152 mil metros acima do nível do mar, de lá é possível ter uma visão panorâmica da cidade.

Existem três formas de se chegar ao topo. De teleférico, funicular ou a pé. Apesar de ser adepta a caminha, não tínhamos tempo para isso. Então subimos de teleférico e descemos pelo funicular. O preço é o mesmo para os dois.

Além da visão panorâmica da cidade, em Monserrate tem um monte de barraquinhas e uma feirinha com diversas comidas típicas. De maneira geral eles não aceitam cartão de crédito. Como eu não havia trocado dinheiro pela moeda local, o jeito foi achar uma que aceitasse dólar, com uma cotação desfavorável.

Museu do Ouro

Saindo de Monserrate, nos dirigimos direto para a região próximo a La Candelaria. Deixamos o carro no estacionamento e seguimos a pé até o Museo del Oro. O museu é mais impressionante do que eu imaginei. Possui uma quantidade gigantesca de peças em ouro, produzidas pelos índios antes da colonização espanhola.

Museu de Botero

No museu encontra-se uma coleção de pinturas do artista colombiano Fernando Botero. Esse artista ficou famoso por suas obras retratarem a nudez e pessoas gordinhas.

Praça Bolívar

Acho que foi aqui que meu amor por Bogotá se consolidou. Só posso descrever a praça como impressionante. As antigas construções em tamanho gigantesco emoldurando o espaço aberto da praça. Por aqui o movimento de pedestres é grande, e existem muitos vendedores ambulantes.

Bairro La Candelaria

Achei o bairro uma graça, simplesmente maravilhoso. Durante minhas pesquisas sobre a cidade, eu havia imaginado que o La Candelaria seria estilo os bairros do centro de São Paulo. Mas são bem diferentes na realidade. De maneira geral as ruas são limpas, os prédios conservados e sem pichações. O bairro possui um charme único. Muito colorido e com muitas opções de restaurantes. Da próxima vez que vier a Bogotá, definitivamente ficarei por aqui.

Durante nosso passeio por La Candelaria, o Edgar nos levou para experimentar o café tipo de Bogotá. Bogotá é conhecida por fabricar um dos melhores cafés do mundo. Depois nos levou para experimentar o buñuelo. Um bolinho típico de Bogotá que é simplesmente maravilhoso. Para finalizar, tomei chá de coca. Mas apenas para satisfazer a minha curiosidade. Apesar de está a cerca de 2600 mil metros acima do nível do mar, acredito que não seja suficiente para causar nenhum soroche.

O que fazer a noite em Bogotá

A noite estávamos bem cansados devido a viagem de avião e ao dia intenso que tivemos. O diferença de 3 horas do fuso horário e o fato de termos madrugado não ajudava muito também. Nossa intenção era jantar no Andrés DC, restaurante temático com 4 andares (cada andar um tema diferente), muito famoso por lá. Mas infelizmente o cansaço não nos permitiu e optamos por uma comida ao melhor estilo Fast Food.

Como tínhamos que acordar de madrugada novamente, fomos dormir bem cedo. A noite em Bogotá é uma delícia. Aproveitamos apenas para caminhar pelas ruas da Zona Rosa, passamos em frente ao Andrés DC, ao shopping Andino e outras diversas lojas de rua. A localização do nosso hotel não poderia ser melhor. Bem no meio disso tudo.

ONDE FICAR

Recomendo especificamente dois lugares. La Candelaria e Zona Rosa (ou Zona T). Como eu mencionei, eu adorei La Candelaria, achei o bairro puro charme. Mas, não estive por lá a noite. O que li em alguns lugares é que tende a ser mais perigoso. Mas sinceramente não tive essa impressão. Da próxima vez que for a cidade, pretendo ficar hospedada por aqui.

A Zona Rosa ou a Zona T, são bairros mais novos e com bom movimento a noite. Com uma infinidade de restaurantes e bares, eu diria que lembra muito a nossa avenida Paulista. Foi por aqui que eu me hospedei. Optei pelo hotel GLH Hotel Hamilton, que possui excelente localização com um preço muito bom.

Achei o hotel bem bonito e o atendimento dos funcionários muito simpático. Como meu voo partia as 6:30, sai do hotel de madrugada e não pude experimentar o café da manhã. Mas os funcionários nos ofereceram suco e perguntaram se queríamos alguma coisa. Mas às 3 horas da madrugada, realmente não rola.

Dicas e curiosidades sobre Bogotá
  • Assim como São Paulo, Bogotá tem um trânsito muito louco. Na verdade, estive lá num domingo e achei o trânsito muito intenso, bem mais do que aqui.
  • O aeroporto não está tão próximo da região central, portanto, considere o tempo de deslocamento de-para.
  • Uma das coisas mais legais que vi em Bogotá é que lá não tem cachorro de rua. Sério gente, que cidade maravilhosa. Todos os cachorros (que eram de rua), são levados para uma espécie de abrigo, onde são alimentados, castrados e postos para adoção. Caso você encontre algum cachorro em situação de rua, é só ligar para a prefeitura que eles recolhem e levam até um desses abrigos. Um máximo, não acha?

Fazer um blog de viagem era um sonho antigo, que finalmente consegui realizar. Adoro escrever, falar de viagem e ajudar as pessoas a encontrar a próxima rota incrível para chamar de sua. Sou filha de fotógrafos e herdei dos meus pais a paixão por fotografia. Mas mais do que tudo, adoro viajar, conhecer novos lugares, novas culturas. Para mim viajar é terapia, é aprendizado, é realização. Tem uma frase de Santo Agostinho que me define completamente, que diz que "o mundo é um livro, e aqueles que não viajam leem somente uma página".