Início » BATE-VOLTA » O que fazer em Embu das Artes
Embu das Artes

O que fazer em Embu das Artes

Compartilhe com seus amigos.

Embu das Artes, ou simplesmente Embu, faz parte da região metropolitana de São Paulo. Devido essa proximidade, muita gente se dirige até lá para passar o dia e fugir da rotina. Mas, justamente por está geograficamente muito próxima de São Paulo, já vi muita gente estranhar quando falo de lá. E, me perguntam se realmente é legal, se realmente vale a pena ir. Afinal, o que Embu tem de diferente? Nosso intuito hoje é esclarecer essas dúvidas e mostrar que sim, vale a pena visitar Embu.

COMO CHEGAR

A apenas 30 minutos do centro de São Paulo, a melhor via de acesso para quem sai da capital paulista é pela Régis Bittencourt. Também é possível ir de ônibus, através das linhas EMTU. Para verificar o melhor ponto de partida e os horários, consulte o site da EMTU aqui.

O QUE FAZER

Como o próprio nome sugere, Embu é famosa por seu lado artístico. Lá, residem diversos artistas que expõem seus trabalhos. Aos fins de semana e feriados, as ruas do centro são fechadas (para carro) e convertem-se em galerias a céu aberto. Sendo assim, uma das coisas mais legais a se fazer em Embu, é justamente passear pelas lojas.

Lojas e Antiquários

São inúmeras opções para todos os estilos. Mas quero deixar uma recomendação super especial aqui. Na minha última visita a Embu, tive o imenso prazer de conhecer e conversar com o artista Sérgio Soublét. Trata-se de um senhor super culto e cheio de histórias para contar. Ficamos apenas algumas horas conversando, mas poderíamos facilmente passar o dia inteiro por lá.

O Sérgio Soublét é um engenheiro aposentado, que trabalhava para o governo, em Brasília. Viajou por mais de 27 países e suas pinturas, de maneira geral, são fruto dessas experiências. Os quadros são belíssimos, os mais bonitos que vimos em Embu. O preço também é bem acessível, pois ele os vende por amor a obra, e não por lucro. Sua galeria fica na Rua Siqueira Campos, 174, e funciona apenas aos fins de semana.

Para mais informações, acesse aqui.

Feira de Artesanato

Aos fins de semana e feriados, as ruas do centro têm seu acesso fechado aos carros, e recebe diversas barracas de ruas. Além de diversos tipos de artesanato, na feira é possível encontrar barraquinhas deliciosas de doces. Se você é como eu e não resiste um bom doce, é o paraíso. Ao longo do dia provei praticamente todos os tipos de doces que eles vendiam. Os melhores é o bombom de morango com brigadeiro belga, e o bolo de brigadeiro belga. D-I-V-I-N-O.

Comer

Falando em comida, Embu é mestre no assunto. São MUITAS opções espalhadas pelo centro, para todos os paladares e bolsos. Um dos restaurantes mais tradicionais da cidade é  O Garimpo.

Especializado em comida alemã, foi a opção escolhida por nós. O restaurante possui um ambiente super agradável e a comida é realmente muito saborosa. Pedimos o Steak au poivre vert, que serve bem uma pessoa, mas sem exageros.

Também pedimos, de entrada, mini pastéis de queijo brie. O diferencial, que vale o destaque, é a geleia de abacaxi e pimenta que acompanha os pastéis. A experiência gastronômica é simplesmente maravilhosa. Em termos de preço, não é a opção mais econômica da cidade. Tendo como referência a data deste post, outubro de 2018, um casal deve gastar, em média, de R$ 150,00 a R$ 200,00 reais por uma refeição com entrada, prato principal e sucos.

Outro restaurante bem tradicional é o Empório São Pedro, especializado em comida Italiana. Ainda não comemos lá, mas recebemos excelentes recomendações e está em nossa lista. Fora estes, existem diversas outras opções espalhadas, algumas bem mais econômicas e todos muito bem avaliados.

Viela das Lavandeiras

A viela ganha destaque aqui, apenas para que não deixe de visitá-la. Trata-se, como o próprio nome diz, de uma viela. Muito linda e muito charmosa, vale a pena passar por aqui. Aliás, é aqui que fica o Empório São Pedro, mencionado no item acima.

Museu de Arte Sacra dos Jesuítas

O museu possui um acervo de pinturas, esculturas e objetos dos missionários jesuítas que vieram ao Brasil. O museu cobra uma pequena taxa de entrada e funciona das 9h às 16h30.

Memorial Sakai

Esse foi um dos passeios que mais nos surpreendeu. O espaço cultural, também funciona como um ateliê, e possui mostra dos trabalhos do artista japonês e de seus alunos.

O funcionário do local, extremamente solícito, nos conta um pouco da história de Sakai, sua importância para o mundo da arte e para Embu. Como ele começou ensinar as pessoas da cidade, e como isso mudou a vida de muitas pessoas, que encontraram na arte, uma forma de sobreviver. Como bônus, ainda aprendemos um pouco como funciona a arte de esculpir o barro.

Parque do Lago Francisco Rizzo

Como a maioria das atrações de Embu começa a funcionar depois das 9h, começamos nosso passeio por aqui. Chegamos bem cedo e aproveitamos para andar pelo parque. Encontramos diversas pessoas caminhando por lá, alguns fazendo exercício. O cenário é realmente agradável, do tipo que dá para ficar horas.

Compras

Embu também é famosa por seus outlets. São muitas opções, e para conhecê-los todos, seria necessário várias visitas a cidade. Nós aproveitamos para conhecer somente um, o BBB. Não sei dizer os outros, mas este não me agradou muito. As roupas são de fato baratas, mas não vi nada que me chamasse atenção. É claro, não fiquei garimpando muito, pois não tenho tanta paciência. O provador feminino é o cúmulo do desconforto. Não existe cortinas separando os provadores, de modo que precisamos nos trocar umas de frente para as outras. No fim, não encontrei nada que me agradasse, e acabei comprando apenas uma calça para o Ighor, apenas para não passar em branco.

Compartilhe com seus amigos.

Fazer um blog de viagem era um sonho antigo, que finalmente consegui realizar. Adoro escrever, falar de viagem e ajudar as pessoas a encontrar a próxima rota incrível para chamar de sua. Sou filha de fotógrafos e herdei dos meus pais a paixão por fotografia. Mas mais do que tudo, adoro viajar, conhecer novos lugares, novas culturas. Para mim viajar é terapia, é aprendizado, é realização. Tem uma frase de Santo Agostinho que me define completamente, que diz que "o mundo é um livro, e aqueles que não viajam leem somente uma página".